As duas faces de uma moeda chamada tomada de decisão

Quando pensamos em tomar decisões, temos sempre de ter em conta dois aspetos muito importantes: O Passado e o Futuro. Para tomarmos decisões nas nossas vidas temos de saber olhar para trás, para sermos capazes de prever o futuro, porém, temos de olhar para o futuro e imaginar o que aconteceria se tomássemos uma determinada decisão. São estas as duas variáveis que temos de ter em conta para tomarmos uma decisão importante de forma consciente. Muitas decisões que tomamos nem sempre são as melhores, precisamente porque nem sempre vemos estes dois aspetos. Pensamos por vezes que teremos sucesso, porque algo nos correu sempre bem anteriormente, mas esquecemo-nos de olhar para o futuro e prever se esta escolha será a melhor futuramente e a longo prazo. Tomemos como exemplo pessoas que são excelentes atores e sempre tiveram sucesso a representar e decidem fazer da sua representação uma carreira. Certamente terão muito sucesso, no entanto a fama vem sempre com um preço e muitos desses atores não são totalmente felizes porque têm de abdicar de muitas coisas nas suas vidas para além da representação. Mas também pode ser precisamente o contrário e podemos olhar em frente e prevermos que teremos sucesso com a nossa escolha, mas não olhamos para o passado e vemos que escolhas semelhantes que fizemos anteriormente nem sempre nos levaram aos melhores resultados, ou que existem variáveis que nos condicionam à partida. Dando um exemplo concreto: Podemos ambicionar imenso ser grandes jogadores de basquetebol no futuro, porém, se formos baixos, muito provavelmente não teremos sucesso numa carreira como basquetebolista profissional. É esta a razão pela qual devemos olhar tanto para trás como para a frente antes de tomarmos uma decisão. Com isto pretendo alertar para o perigo de muitas vezes tomarmos decisões erradas e precipitadas nas nossas vidas, que mais tarde nos viremos a arrepender. A vida é feita de decisões e algumas vezes iremos tomar as melhores, mas nem sempre iremos acertar no que é melhor para nós. Desta forma, pensem e repensem nas decisões que têm de tomar, para não serem enganados por vocês mesmos. E já sabem, se tomarem a decisão errada, podem sempre voltar atrás e começarem uma nova jornada em busca do sucesso. Às vezes é preciso dar um passo atrás para poder avançar. Tenham sempre isto em consideração.

Até à próxima!

O que devemos saber sobre a criatividade…

Quando falamos em criatividade, a primeira coisa que nos ocorre é sermos capazes de fazermos grandes coisas. No entanto estamos muitas vezes enganados no que compete à veracidade desta afirmação… Acredito que as grandes ideias partem das pequenas coisas. Tal como vos disse antes, sou um fanático pela leitura e pela escrita e foi precisamente isso que me levou a criar este blog e não propriamente uma fonte de inspiração divina. Desta forma, não necessitamos propriamente de encontrar a criatividade. Muitas vezes é ela a vir ao nosso encontro quando fazemos aquilo que mais gostamos. Atividades banais como ler, ouvir música ou fazer desporto podem muitas vezes levar à genialidade e temos muitos exemplos concretos disto mesmo. Vejamos a criação do Facebook, que surgiu através de um projeto universitário ou a Teoria da Relatividade de Einstein que surgiu da observação de um relógio. São exemplos de que grandes génios não passam de pessoas comuns apaixonadas por algo. É por este motivo que a criatividade é espontânea e é mais provável sermos criativos, quando gostamos daquilo que fazemos. Ao invés de nos questionarmos: “Porque é que não consigo ser criativo?; devemos antes perguntar “Eu gosto do que faço?”

Resumindo, não procurem ser criativos, mas sim fazer aquilo que vos dá prazer

Até à próxima!