A grande festa

O jovem lembrava-se muito bem de como tinha sido a sua primeira saída à noite com os seus amigos. Algo estranho, tendo em conta que a maioria dos adolescentes costumam encontrar no álcool a sua forma de divertimento preferencial quando se vêm afastados dos seus pais. De qualquer forma, ele também não estava lá para se divertir. Fazia parte da organização disfuncional de jovens adolescentes da mesma. O objetivo também era bem típico dos jovens daquela idade: angariar dinheiro para a viajem de finalistas. Todo o panorama era plausível, mas apenas em teoria… O que realmente se viu foi um grupo de adolescentes a trabalharem arduamente na limpeza e montagem do recinto para a realização de uma festa memorável que terminou antes mesmo de ter começado. Quem já foi a algumas, sabe bem como funcionam. No entanto, o jovem passou toda a noite sóbrio, uma fez que ele era o tesoureiro que estava a receber o dinheiro à entrada da festa. Ele apenas foi substituído no seu posto já bem tarde e foi nessa altura que contactou pela primeira vez com estados de embriaguez descomunal. Nessa noite viu de tudo…

Ele simplesmente sorriu para toda aquela panóplia e regressou mais cedo para casa.

No dia seguinte, enquanto arrumava todo o material e limpava o recinto com os seus colegas, ouviu as típicas lamurias do dia anterior: “Eu não me lembro do que fiz na noite passada…”. Também ele teria noites dessas no futuro, mas não naquela altura. No fim, a grande conclusão deu-se com o saldo negativo da festa, mas o que o jovem guardou verdadeiramente de tudo aquilo, foi o trabalho de equipa que envolveu aquela festa e o facto dela ter tornado possível.