Momentos de genialidade

Cada vez que olho para trás, surpreendo-me cada vez mais com alguns momentos de genialidade que tive. Aquelas iluminações brilhantes que temos e que acontecem apenas uma vez na vida. São aqueles momentos em que descobrimos um botão escondido dentro de nós que desconhecíamos. Nesse momento transformamo-nos e fazemos coisas que nos eram impensáveis de fazer ou sentir. Temos uma vontade efusiva de alegria que pensávamos não ser capazes de atingir e ficamos com aquela necessidade de registar esses momentos.

É por todas estas razões que ando sempre com um bloco de notas. Porque são esses momentos que merecem ser registados. Sim, eu ainda sou daquelas pessoas antiquadas que escreve à mão e lê livros em papel, porque não se consegue desafeiçoar daquele sentimento materialista de possuir um livro físico e sentir o cheiro do papel a cada página que desfolho. Isto pode ser um pouco contraditório, tendo em conta que estão a ler os meus textos numa plataforma digital, mas não se enganem, porque cada cada uma destas palavras foi escrita previamente naquele bloco de notas que trago sempre comigo.

Se pensarem bem, nada disto é muito diferente daquelas pessoas que levam os seus blocos de desenho para todo o lado, ou daquelas pessoas que levam sempre uma máquina fotográfica ao pescoço para captar aqueles momentos mágicos que acontecem somente uma vez na vida. Sim, também me poderão encontrar certo dia na rua a vaguear com a minha máquina fotográfica, ou demasiado ocupado em casa a fazer um autorretrato para alguém que queira registar um destes momentos especiais de que vos falo. 

Com tudo isto, até parece que sou uma espécie de Leonardo da Vinci, mas não fiquem a pensar que sou alguém que possui muitos talentos.

Sou apenas uma pessoa pronta a captar momentos de genialidade…

Quem são os nossos amigos?

Atualmente vivemos num mundo em que as pessoas valorizam demasiado os seus trabalhos e os seus estatutos sociais e descartam muitas vezes as suas amizades para um plano secundário.

Por vezes, vemos pessoas a progredir na vida à custa de outras pessoas que outrora foram suas “amigas”. Desilude-me pensar que as pessoas que conhecemos certo dia podem não ser as mesmas do dia de amanhã. Com o tempo vamos aprendendo que as primeiras impressões deixam de ter a sua importância neste mundo de vulgaridade.

Todos nós já precisámos de um amigo que nos ajudou a reencontrar o caminho naquele momento difícil e provavelmente também já ajudámos alguém que atravessou momentos de tormenta. O que importa referir é que essas pessoas são os nossos verdadeiros amigos. São as pessoas que se importam de alguma forma com o nosso sofrimento e dor. Às vezes estas pessoas escondem-se na sociedade, sem darmos por elas. São as pessoas que nos dão os bons dias todos os dias; são as pessoas que nos perguntam se está tudo bem connosco; são as pessoas que continuam a insistir mesmo quando afastamos toda a gente ao nosso redor. Poderá nem sempre ser óbvio quem são os nossos amigos e, muitas vezes poderemos mesmo surpreender-nos com algumas pessoas.

As amizades porém mudam, ou deverei dizer desaparecem? Chegamos a um ponto na vida em que os nossos amigos de infância já têm as suas vidas feitas enquanto muitas vezes ainda estamos a tentar encontrar o nosso caminho. Os nossos amigos da faculdade encontram-se a trabalhar nas suas respetivas áreas e nós nas nossas. Certo dia reencontramos os nossos amigos com quem crescemos no mesmo ambiente e descobrimos que estes já constituíram uma linda família e estão numa fase da vida muito diferente de nós. Deparamo-nos muitas vezes através das redes sociais com aquele amigo que não vemos há anos e percebemos que este emigrou para o estrangeiro. Fora isto, há pessoas que passam pela nossa vida e nunca mais ouvimos falar delas.

É caso para nos questionarmos: o que é amizade de verdade? Estas pessoas a quem chamamos amigos serão as mesmas que conhecemos um dia? Será que ainda podemos falar da mesma amizade que falávamos antes?

Cada pessoa terá a sua opinião sobre isto…

Eu acredito na amizade e em como esta pode unir as pessoas. Em cada momento da nossa vida, independentemente das circunstâncias poderemos sempre contar com os nossos verdadeiros amigos.

Estes arranjarão tempo para estar lá quando for preciso…

As resoluções de ano novo

Este ano prometo…

Estou a brincar!

 

Olá a todos de novo,

Já entraram no espírito de ano novo? Espero que sim, porque eu certamente já. Hoje é dia de começar de novo para muitas pessoas. Para mim, pessoalmente não. O ano-novo para mim significa o mesmo que qualquer outro dia do calendário. As oportunidades de ontem que foram perdidas e as de amanhã que ainda estão para vir. A cada dia que passa há sempre algo de novo que acrescentamos às nossas vidas, não acham? Assim, não pensei muito sobre o assunto e agarrei-me novamente ao papel e à caneta. Sem qualquer compromisso, nem promessas de que vou escrever sobre isto ou sobre aquilo. A escrita pela escrita! Afinal de contas, nenhum compromisso dura para sempre e a cada dia que passa é uma oportunidade desperdiçada para escrevermos, estarmos com quem realmente gostamos ou fazermos simplesmente aquilo que nos faz felizes. As pessoas são a principal razão pela qual vale a pena viver. Do que nos serve sermos materialistas se não temos com quem compartilhar. No meu caso é também através do contacto com as pessoas que surgem as novas ideias para a escrita.  Por isso é que este ano não faço promessas. Porque na realidade, quanto mais nos comprometemos com as coisas, menos nos focamos naquilo que realmente importa, que são as relações humanas. Esta é a minha mensagem para o novo ano.

Feliz ano novo para todos!