Ainda a tentar superar o bloqueio criativo…

Já passei tanto tempo fora da blogosfera, que já quase me esqueci de como é tão bom poder voltar a tirar algumas coisas do peito… Às vezes perdemos demasiado tempo com as nossas obrigações diárias e esquecemo-nos de que a nossa vida não é só trabalho. De uma forma geral encontro-me bem e o facto de não ter passado muito por aqui acaba por ser positivo, pois a minha veia criativa aparece sempre em momentos complicados. Talvez porque seja um pessimista nato que ainda não aprendeu a ver que também há um lado bom nas coisas.

Este projeto começou como um desabafo pessoal que acabou por se arrastar ao longo dos anos e me ajudou de certa forma a crescer e a ter uma visão mais realista das coisas. Com ele aprendi a ser introspetivo e a pensar no impacto que as palavras podem ter em mim e nos outros. Durante muito tempo este sítio foi um refúgio para mim e para muitas pessoas que de alguma forma se identificaram com aquilo que escrevo. Ouvi muitas críticas positivas e negativas ao meu conteúdo ao longo dos anos que me ajudaram este espaço melhor. Tal como na vida não se pode agradar a todos.

Sinto que mudei ao longo destes anos, mas há muita coisa que permanece essencialmente a mesma. Continuo a levar sempre o meu caderno de apontamentos comigo para todo o lado, na esperança que me passe o bloqueio criativo, continuo a escrever textos aleatórios que talvez nunca cheguem a sair das gavetas do meu quarto e ainda continuo a ser um estudante universitário ávido pelo conhecimento. Acredito que por muito esforço que façamos nas nossas vidas, no fundo continuamos a ser os mesmos de sempre. É por isso que se olharmos atentamente ao nosso redor, percebemos que estamos rodeados de rotinas sem sentido e de visões estereotipadas das coisas. Por vezes queria que muita coisa fosse diferente…

Não sei se ainda haverá alguém que me acompanhe por aí, mas se ainda houver, gostaria que me dessem o vosso parecer sobre este espaço. Digam-me a vossa opinião, porque este blog não existe sem vocês aí desse lado. Como sabem, encontro-me sempre aberto a críticas construtivas e a sugestões de melhoria.

 

Do vosso amigo