Quero que saibam que…

Quem me conhece verdadeiramente bem, sabe que não sou uma pessoa fácil de lidar. O meu mundo não funciona a preto e branco, como o de muitas pessoas e, por isso, talvez existam demasiadas variáveis para conseguir fazer novas amizades ou conhecer novas pessoas. Quero que saibam que as minhas atitudes são sempre honestas e que se de alguma forma se sentiram ofendidos com a minha forma de me expressar, não foi minha intenção fazer-vos sentir assim.

Os meus amigos já estão habituados às minhas constantes oscilações de humor, que podem ir desde o festivaleiro do grupo à depressão profunda. Poderei passar horas sem dormir apenas para ir ter convosco por uma questão sem importância ou poderão passar-se dias ou semanas sem que me vejam. Quero que saibam que não o faço por mal e, se conhecessem um pouco mais sobre a minha vida, talvez conseguissem perceber esta questão. Infelizmente, nem todos permanecem tempo suficiente na minha vida para atingir este grau de confiança. Na realidade, muito poucas pessoas permaneceram ao meu lado ao longo dos anos.

Neste final de ano, não quero fazer qualquer tipo de promessas ou de compromissos comigo mesmo. Não vou prometer tornar-me uma pessoa melhor ou ser alguém que não sou. Talvez não seja esta a atitude que me trará mais amigos, mas sou uma pessoa honesta e gostaria que muitas pessoas o fossem também, porque nos dias de hoje ninguém parece dar muito valor a isso. Hoje assistimos a uma grande desvalorização do conceito de honestidade, parecendo mesmo que a desonestidade é a nova normalidade.

A única coisa que quero desejar a todos, neste novo ano é que sejam honestos, não só com todas as pessoas, mas também convosco próprios, porque não há melhor sensação do que nos irmos deitar todas as noites com uma consciência tranquila!

Quanto a mim, espero que este ano me continue a trazer a paz interior de que preciso para concluir esta etapa da minha vida. Tenho as pessoas de que preciso ao meu lado e não as trocaria por nada deste mundo!

Feliz 2020!

[16] – O ouvinte que se tornou escritor

Olá amiga,

Por vezes não temos oportunidade de mostrar gratidão pelas pequenas coisas que acabam por fazer grandes diferenças. Infelizmente, eu nunca tive oportunidade de agradecer à pessoa que me motivou a escrever muito daquilo que escrevo hoje. Lembro-me bem das tardes perdidas em redor do meu ecrã de computador após as aulas em que passávamos horas a fio a conversar. Dizias-me por vezes que parecia ser muito mais do que a pessoa que aparentava ser. Era a pessoa que sabia ouvir os outros e sabia dar os melhores conselhos em alturas de necessidade apesar da minha vida estar um caos. Na verdade, nem mesmo eu próprio encontro lógica em algumas das coisas que escrevo, mas fico contente alguém gosta daquilo que eu escreva e que o ache útil no dia-a-dia.

Foi graças a ti que comecei a partilhar mais as minhas opiniões com os outros e a escrever cada vez mais. Deste-me a motivação necessária para pegar no papel e na caneta e simplesmente começar a escrever. Ensinaste-me que as palavras têm significados importantes para as outras pessoas e de que não precisamos de gritar numa sala cheia de gente para que possamos ser ouvidos. Às vezes basta que alguém esteja disposto a ouvir a história que temos para contar e, por isso, te estou verdadeiramente grato.

do teu amigo